terça-feira, 29 de novembro de 2011

Primavera Boreal

Então nascida do ventre de novo
o mundo de primavera se cristaliza
espiritualiza-se
numa grande esperança
a vida se repete
aromas dispersos
luz incessante
reflete a beleza
invadem a alma em sedução
numa quase felicidade
indispensável
ao sentido humano
passiva por encanto
não mais deste mundo
não mais os perfumes
harmoniza em contentamento
aprende-se com a doçura
amar... amar... amar
sem recuar,
desejos, sem promessas
apenas pelo triunfo da manhã


                                                                        Paulo Knop <><  Nov 2011