quarta-feira, 5 de setembro de 2012

A maritaca do Sr. Jose.


O Sr. Jose  tinha uma maritaca. Pela manha gritava sem parar. Acordava toda vizinhança. Quando passava voando sobre a casa um bando de seus iguais, gritava ainda mais de ser tão desigual ali presa em um poleiro com os pés amarado por uma corrente. Se consolava quando o Sr. Jose  coçava seu pescoço, ou saia para passar pela vizinhança.  
       Um dia, como por encanto sua corrente se quebrou, saiu de seu poleiro rapidinho e foi para o alpendre, e de lá do alto pode ver as arvores, sentiu que podia voar novamente, e lá de cima ver a mata verdejante, e ficar bem mais perto do céu azul, e voar ate um pé de sapucaia, ir ate um pé de ceboleiro, com suas flores vermelhas e doces como o mel, e ali junto com os seus, podia  “matraquear”  a vontade, gritar bem alta para espantar outros bandos, afirmando: — aqui não. 
       Sentir novamente o calor do sol da manha, ver o sol refletindo sobre suas penas verdes, um dourado sem igual, brilho este que chama atenção de um parceiro, que com o bico acaricia seu pescoço. Voar com leveza ate aquela frondosa e antiga figueira perto da lagoa, e em seu galho mais altos e firmes fazer seu ninho e assim perpertuar, junto com seu único parceiro para sempre.
      Assim se encheu de esperança, e de coragem, naquele alpendre, abriu suas asas pulou Pum... esborrachou, lá em baixo no passeio,  tinha ela esquecido, que a maldita ambição humana, lhe tinha cortado as penas de sua aza esquerda para que ela não fugisse, e assim o Sr. Jose pudesse coçar seu pescoço, e desfilar com ela pela vizinhança.
Agora se contorce pelo chão vendo sua vida esvaindo, e o céu azul infinitamente distante,  começa a se carbonizar,  sentido uma dor profunda, mais que a dor da carne, é a dor de não ter conseguido voar, de repente  uma força, não sei de onde vem e da o seu ultimo grito como se assim dizer: — EU QUERO VOAR,  se debate mais uma vez, e com olhos fixo no céu azul, deu seu ultimo suspiro. Acabou. Ficou apenas um silencio profundo, e ela só.
           
                                                                                  Paulo Knop -  12/07/2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário