quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Simbolo Maior


Símbolo Maior

O encanto em ver
A fascinação que traz
Esperança fraternidade alegria
O Verde de suas folhas
O brilho das luzes
A estrela em seu topo 
O símbolo maior
Força positiva da vida  
Amor refletindo
Em cada olhar

Me remete ao encantamento
Retorno a outros tempos
Velas multicores ilumavam a sala
A inocência o fascínio daqueles dias
São iguais são os mesmos
O brilho nos olhos
Um turbilhão de emoções
O desejo de Paz renascer
Em cada um  
Ao ver uma Arvore de Natal

                             Paulo Knop <>< Dez 2016

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Estupidez

 

A milha estupidez
A sua estupidez
A nossa estupidez
Mudo perplexo
Convivemos
Vemos e não falamos
Vemos e não agimos
Ficamos sem atitude
Irresoluto
Já não somos audazes
Apenas por estupidez
Infinita estupidez humana

                                            Paulo Knop <>< Nov 2016


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Viver o hoje



Não se vive ontem
Nem se vive o amanha
Se vive o hoje
Porque o hoje é uma dadiva
Vive-lo é um presente

Aprende-se com o ontem
Para não cometer os mesmos erros
Lembrar e aprender com o passado

Não se vive o amanha
O amanha é um mistério
Deseja-se
Transforma-lo em realidade
Vivendo o hoje
  

       
                                Paulo Knop <><     Set 2016



terça-feira, 6 de setembro de 2016

Divididos

ei não me diga
que esta tudo errado
que não ha esperança
ai sentado ao telefone
não se vai a lugar nenhum
sozinho estamos divididos
vem ajudar
carregue uma pedra
não é fantasia
abra  os pensamentos
veja com seus olhos
ouça com seus ouvidos
tudo é  possível
                                                                                              não me diga...
                                                                                          que não há nenhuma esperança
                                                                                      a esperança é tudo
                                                                                       juntos venceremos
                                                                                         divididos cairemos


Paulo Knop <><  31 agosto 2016



sábado, 16 de julho de 2016

Sem Volta


Vivemos sozinhos
Morremos sozinhos
Em meio à multidão
Na esquina
Um gole amargo de cerveja
Vida se esvai
Sozinho se cruza o portal
Sem sombras sem sonhos
Um improviso da vida
Vai-se... Viagem sem volta
Apenas se vai
Assim é vida
Assim se morre
Sozinho em uma esquina
Sozinho se vive
Em meio à multidão


                         Paulo Knop <><  14/07/2016

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Sombras

Nem sempre foi assim
Tudo era diferente
Alegria perpetuava pelo ar
O aroma era doce
Doce harmonia dos momentos
Assim se passou o tempo
Os momentos são recordações
O belo ficou velho
Não menos belo por isto
Ficou a realidade
Triste e vazias sem nada
Apenas sombras ficaram
Retratos amarelos
Nas paredes das lembranças
Me perco nos labirintos 
De sombras, murmúrios sorrisos
De onde não consigo sair
Assim findo o momento
Sem desejos sem méritos
Metade sozinho
Metade ninguém
                                                         
                                                                                   Paulo Knop  <><  Junho 2016

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Cozinha

                                                                           Os aromas se misturam
Doce banana com canela e mel
Galinhada no fogão
Cebola e alho um pouco de pimenta
Lenha que queima devagar
Fragrâncias e sons se perpetuam

Lembranças à deriva
Ternura em cada ato
O prazer que se compartilha
Assim se faz um prato
No calor das recordações
Com cheiros e sabores
Alimentos da saudade

                                 Paulo Knop  <>< 11/04/2016  

terça-feira, 17 de maio de 2016

Alma Peregrina

Alma peregrina
Divaga nas tormentas
Dos cominhos difusos
Sentimentos abstratos
Dos pecados cometidos
Dos rancores guardados
Culpas e mágoas

Buscai o perdão
O caminho de quem ama  
Sentimento da cura
Da paz
Da reconciliação
Com si mesmo
e com os outros  

                                  Paulo Knop <><  Fev 2016

quarta-feira, 13 de abril de 2016

O Mundo de Cida

Imagine um mundo perfeito... 
As pessoas são boas
Não existe fome
Não jogam lixo na rua
Tudo belo. Ate mesmo o feio
Não gastam água à toa
Se comentem erro...
Sempre uma razão plausível

Perplexa com a maldade
Sempre solidária
Com as necessidades alheia
Emociona com abandono das crianças
Sua lagrima rolam em silêncio
Não aceita a maldade e o sofrimento
Só podemos viver felizes
Compartilhamos tudo

Gostaria de viver neste mundo seu
Todos são bons aos seus olhos
Todos tem uma razão
Tudo é tão simples
Todos acreditaram em todos
Falam baixo e gostam de boa musica
Tudo perfeitamente perfeito... e sonhos se realizam
Que mundo inaudito extraordinário

                        Paulo Knop  <>< 11/04/2016

terça-feira, 15 de março de 2016

Indizível Emoção

Lembrança de tudo
Preludio  feliz
Nada para esquecer
Parece que foi ontem
O olhar... O desejo
Indizível emoção 
O prazer de estar
Adoro você
Eu sei eu saberei
Até quando há lágrima
Sem palavras contemplo
Tudo que representa
Coexistir viver
Amor para sempre
Se ontem hoje ou amanhã
A vida a passar
Tempo que se tem
É pra viver
É agora
Hora melhor
Não ha
O futuro
É realizar o agora

                                                       Paulo Knop <>< Março 2016

terça-feira, 8 de março de 2016

Finitude

Ensinou a vida
Eu sei
Aprendi amar
Viajei no mundo 
Sonhei

Chorei de amor
De amor delirei
Fiz castelos em quimeras
A realidade ensinou
O bruto viver

Minha voz
Gritei
Em delirantentes paixões
Anseios diversos
Poder que tudo pode

E assim em fim
Acordei
Minha voz sumiu
Permanecem as lembranças
Podres e vazias

Já não tem planto
Pois não se pode arrepender
Não tem mais tempo
Não tem mais vida
Fica a ilusão
Que tudo podia
E nada fiz
                     
                     Paulo Knop <><   Mar 2016


quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Em Fim

            
             
               poeira do tempo
               sem esperança
               a girar a girar
               turbilhão sem fim
               labirinto de recordações
               meus olhos se perde
               em um universo
               sem culpa sem meias culpas
                fica a cumplicidade da solidão
                acalentando sonhos desfeito       
                presença ausente da saudade
                ... em fim


                                                           Paulo Knop <>< Fev 2016

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Crise? Que crise? ... Crise mesmo é a hídrica, que se anuncia.


 Provavelmente todos já ouviram dizer que a água será a causa das guerras futuras. E que a primeira região que vem à mente é a árida região dos países árabes. Por incrível que pareça, o país conhecido como a caixa d'água do mundo é que poderá vir a ser palco de conflitos pela água. Só em Minas Gerais, a caixa d'água do Brasil, já foi detectada mais de 55 conflitos por falta de água, em regiões onde, cursos d'água até então perenes, desapareceram. Cami­nhões-pipas distribuem água escoltada pela polícia para impedir saques. Nos parece cena de filme catástrofe. O que nos assombra, é que esse precioso líquido, que nos serve para nosso banho, irrigar nossos alimentos, abastecer nossas indústrias e mover nossas usinas se faltarem, pode nos aniquilar.
Essa é a verdadeira crise, e que está se aproximando tão rápido que as pessoas ainda não se deram conta de sua gravidade.

Síntese: Editorial Revista Caminhos Gerais – Mario Carvalho Neto